Notícias

A arte da palavra das mulheres: Conheça a poeta Aline Monteiro

O mês de março chegou e este é o mês das águas da canção de Tom Jobim e também o mês dedicado a homenagear internacionalmente as mulheres, um mês mais poético impossível, com isso pensamos em convidar algumas artistas da palavra para estarem na nossa coluna semanal falando da sua arte e também contando um pouco de suas vivências.

Para começar o mês nós escolhemos a poeta amapaense, Aline Monteiro. Professora da rede pública estadual ensina francês para crianças e adolescentes do ensino fundamental I e II, é especialista em Metodologia da língua e literatura estrangeira pela Universidade do Estado do Amapá – UEAP e atualmente mestranda em Letras na área de Literatura, cultura e memória pela Universidade Federal do Amapá – UNIFAP. Aline tem uma relação intima com a palavra, essa palavra que usamos no dia-a-dia, tão comum aos olhos e tão surpreendente ao mesmo tempo, com um recorte quase que fotográfico nas imagens poéticas, ela nos prende, nos acolhe e nos envolve com sua poesia

Com uma produção literária publicada na internet, a poeta (como ela prefere ser chamada) produziu de 2008 a 2013, poemas inéditos para o blog Outros Carnavais. Já participou de três coletâneas literárias sendo uma nacional e duas locais. Além da presença em eventos literários como a Feira do Livro do Amapá – FLAP, o Movimento Maré Literária e a Festa Literária de Uauá – FLIU/BA

Atualmente ela desenvolve projetos com a poesia na escola em que atua, promovendo interações que permitem aos alunos falarem de suas vivências através da experiência poética, bem como discutindo questões sobre identidade, diferença e representação.

E para conhecermos melhor a mulher e poeta Aline Monteiro, misteriosamente refugiada em seus poemas que circulam na internet mandamos três perguntas para ela que você acompanha a resposta na integra.

QUEM É A POETA ALINE MONTEIRO?

Aline Monteiro: Uma pessoa encantada com a palavra desde criança, seja a palavra escrita, a palavra falada, a palavra cantada e que dedica boa parte do tempo a estudá-la, pesquisa-la, admirá-la e a ouvi-la. E que procura construir e compreender seu espaço enquanto poeta da Amazônia, da América latina, enquanto mulher que busca permanecer nesses lugares muitas vezes ocupados por pessoas historicamente destinadas a eles. Eu sou uma pessoa que resiste através da palavra e pela palavra, eu sou uma poeta resistente.

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS INFLUÊNCIAS DA POETA ALINE MONTEIRO?

A.M: São muitas as influências que admiramos ao longo da vida enquanto leitor, enquanto poeta e que de um modo geral nos ajudam a construir nosso próprio estilo, nossa própria identidade na escrita. Manoel de Barros e Adélia Prado nos ensinam muito sobre estilo, percebo neles a admiração pelo cotidiano, por aquilo que para olhos pouco treinados na poesia passa desapercebido mas que para eles é “matéria de poesia”, enquanto Manoel ressignifica objetos e a própria palavra com seu dialeto “Manoelês” Adélia ressignifica sentimentos, o estar no mundo, a religião, a sua relação com Deus, a gente os lê e percebe que a poesia deu novos sentidos aos seus mundos e através da palavra fazem a sua leitura muito particular de tudo que os cerca. Não poderia deixar de citar também Elisa Lucinda e Conceição Evaristo duas escritoras muito necessárias nos tempos atuais, porque são escritas que gritam, que lutam para que a poesia saia do lugar comum e das mãos de quem sempre teve o privilégio da leitura. É a poesia real, crua mas ao mesmo tempo coberta de amor e doçura.  E ainda meus Poetas Azuis, Pedro Stlks porque amo o caminho que a poesia dele faz a gente percorrer, se perder e se achar entre rios e plantas medicinais, amo a delicadeza da poesia do Thiago Soeiro desenhada a memórias e saudades, saudades plurais.

COMO VOCÊ VÊ A IMPORTÂNCIA DA ARTE HOJE?

A.M: Antônio Cândido em seu livro “O direito à literatura” discute o por quê a literatura não é considerada um direito fundamental se nenhum ser humano é capaz de viver um dia inteiro sem ela, seja na letra da canção, na novela, na história em quadrinhos… E continua dizendo que a literatura é tão essencial quanto o alimento, o vestuário, a educação porque o bem estar de uma pessoa vai muito além do seu bem estar físico, logo esse bem estar significa também a sua segurança espiritual, o direito à crença, à opinião, ao lazer e “por que não o direito à arte e à literatura?”. Nós somos ensinados a entender que a arte, a literatura não são essenciais mesmo estando rodeados por elas. Nas escolas dedica-se um tempo ínfimo para o desenvolvimento dos alunos através da arte e por vezes um tempo mal aproveitado, estuda-se a arte ao invés de vivenciá-la, Jorge Larrosa Bondía nos fala que a informação não é experiência, experiência é aquilo que passa pela gente e que nos toca, nos emociona e que de certa maneira permanece em nós. A importância da arte hoje é fazer com que as pessoas encontrem na literatura ou em outras expressões artísticas aquilo que elas já têm dentro de si como bem nos diz Octávio Paz, pois na poesia você pode encontrar de tudo abandono, amor, heroísmo, sensualidade, ou seja, procura-se aquilo que já temos dentro da gente.

QUAL A IMPORTÂNCIA DE SER UMA MULHER ARTISTA DA PALAVRA?

A.M: A aprendizagem que tive através de mulheres fossem elas professoras, poetas, escritoras, pintoras, atrizes ultrapassou o conteúdo porque elas demonstraram na prática que aquele é o lugar da mulher, o lugar de figuras pensantes, críticas das ciências, das artes, de tudo, não eram apenas aulas pra mim, mas experiências transformadoras que me incitaram a ir além do básico, além do que historicamente estava destinado a uma mulher. Então ocupar os lugares que eu ocupo hoje significa ter grandes responsabilidades, preciso ter a sensibilidade ao falar de poesia para compreender as vozes que vem na escola pública, quais seus anseios, seus medos, quais são os seus sonhos? É um canal que eu pouco tive acesso, mas que atualmente tenho a capacidade e o poder de proporcionar isso às minhas alunas e alunos.

Poeta Aline Monteiro

 

Segue alguns poemas de Aline:

 

O que há de errado nesse lugar

As raízes da minha terra desenharam em mim

a ancestralidade dos meus antepassados

o meu cabelo preto, a estatura do meu corpo

os traços incomuns do meu rosto

Tudo se harmoniza, tudo está completo

Minha rima não nasceu em outro lugar

Não tem os cabelos claros ou a pele branca

Minha poesia não fala dos prédios da avenida paulista

O meu verso não pisa nas areias de copacabana

E ainda que fale, ainda que pise

A poesia dos meus antepassados

não será vendida em livrarias

nem receberá prêmios importantes

Mas se eu não escrever como vão saber o gosto que tem

o roxo em meus lábios?

 

 

Mensagem de amor

O amor é um visgo cujo rio de nascente estreita

procura nova margem para se estender

Enchem-se vãos, várzeas inteiras

Esperanças que antes eram só esperanças

E que agora brotam esperas demoradas sem pressa de chegar.

 

E quando falo pela voz do amor

Não são palavras que a minha boca soletra

Não digo frases, orações

Minha boca de amor apenas sussurra o amor

E o amor do outro lado da margem me compreende.

 

O amor tem mil rostos

Mil versões atravessadas pelo piscar das coisas

Um jeito de viver fora dos trilhos e de mãos dadas

com a poesia

Há de se encontrar o amor em suas formas e suas ausências

Há de se viver o antes para se educar o depois.

 

 

Ritual

Este poema costuma perder

hora e compromissos

desiludido

Só pensa em te trazer de volta

Quando sente saudade

põe teu perfume

repete o teu ritual pós-banho

Lê a arquitetura dos teus hábitos

pela manhã

Revive a lentidão daquelas tardes

quando tua boca e dentes

articulavam as palavras do mundo.

 

Atualmente Aline Monteiro, se dedica a publicar seus poemas no blog Viva Voz (https://umvivavoz.blogspot.com/), criado em 2019, e também dois livros prontos para lançamento intitulados: Os olhos da máquina e Ateliê 29.

Grupo lítero-musical amapaense formado pelos poetas Pedro Stkls e Thiago Soeiro. Desde 2011 trabalham na divulgação da poesia por meio das apresentações cênicas e também nas redes sociais. Atualmente o grupo reúne mais de 100 mil seguidores no Instagram

Poetas Azuis

Grupo lítero-musical amapaense formado pelos poetas Pedro Stkls e Thiago
Soeiro. Desde 2011 trabalham na divulgação da poesia por meio das
apresentações cênicas e também nas redes sociais. Atualmente o grupo reúne
mais de 100 mil seguidores no Instagram

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário

Colunistas

Geek Inclusiva
Geek Inclusiva (8)

Me chamo Alice Caroline, sou deficiente visual, paratleta, apaixonada por atletismo, estudante do ensino médio e amante do mundo geek e dublagem. Inclusão vai além de rampas e placas de escrita braile.

Lemana
Lemana (1)

Centro LEMANA - Lar Espírita Maria de Nazaré, localizado no Macapá-AP. Uma Instituição vinculada a Federação Espírita Brasileira que tem por objetivo principal a prevenção e a posvenção ao suicídio e a assistência aos enlutados e sobreviventes. Existimos desde maio de 2018

Poetas Azuis
Poetas Azuis (4)

Grupo lítero-musical amapaense formado pelos poetas Pedro Stkls e Thiago
Soeiro. Desde 2011 trabalham na divulgação da poesia por meio das
apresentações cênicas e também nas redes sociais. Atualmente o grupo reúne
mais de 100 mil seguidores no Instagram

Publicidade