Notícias

Edital financia projetos colaborativos entre pesquisadores do Amapá e São Paulo

Foto: Rafael Aleixo

Foi lançada nesta quinta-feira, 5, na Embrapa Amapá, a chamada conjunta da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (Fapeap) com a de São Paulo (Fapesp). O objetivo é incentivar e apoiar pesquisas colaborativas entre pesquisadores e instituições dos dois estados.

O edital contempla as seguintes áreas do conhecimento: uso sustentável dos recursos florestais; pesca e aquicultura; hidrologia e recursos hídricos; dinâmica costeira e; uso e ocupação do solo.

A parceria entre as duas instituições ocorreu durante o fórum do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), ocorrida em junho deste ano, na Paraíba, fruto de um memorando de entendimento, assinado anteriormente por todos os representantes das Fundações de Pesquisas (FAPs).

A diretora da Fapeap, Mary Guedes, enfatiza a importância da atuação conjunta das instituições. “Após a assinatura, fizemos a parceria direta com a Fapesp. Isso vai possibilitar a atuação conjunta, promovendo o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação nos dois estados, na região e no país”, destacou Guedes.

Por parte da Fapeap, foram disponibilizados R$ 250 mil e cada proposta poderá receber até R$ 50 mil. Esse valor será utilizado pelos projetos aprovados para a aquisição de equipamento, material permanente, passagens, diárias e outras despesas de custeio, como material de consumo e serviços de terceiros, por exemplo.

Já a Fapesp custeará com até R$ 200 mil cada projeto aprovado. O valor poderá ser utilizado para os itens descritos na norma do Auxílio à Pesquisa Regular (APR), incluindo a ida de pesquisadores do Amapá para São Paulo. Essas normas estão disponíveis no site da Fundação paulista.

O titular da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Setec), Rafael Pontes, destacou a oportunidade da troca de experiências e a integração dos pesquisadores. “No Amapá temos pesquisadores experientes no bioma amazônico. Em São Paulo existem laboratórios avançados, onde poderão ser validados diversos experimentos, por exemplo. Essa parceria é fundamental para que, juntos, possamos gerar resultados para a pesquisa brasileira”, pontou o secretário.

Estiveram presentes no evento de lançamento os representantes da Setec, Fapeap, Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Universidade do Estado Amapá (Ueap), Universidade Federal do Amapá (Unifap), Instituto Federal do Amapá (Ifap) e da Embrapa Amapá.

As submissões ocorrem até o dia 28 de outubro e serão avaliadas por um comitê misto de ambas as instituições. No Amapá os projetos podem ser inscritos pelo e-mail da Fapeap: fapeap@fapeap.ap.gov.br. Já em São Paulo, as inscrições ocorrem pelo site da Fapesp: www.fapesp.br.

Todos os proponentes devem ter o título de doutor e serem vinculados à Instituição de Ensino Superior ou Instituto de Ciência e Tecnologia. Mais informações podem ser consultadas na chamada pública 008/2019, no site www.fapeap.portal.ap.gov.br.

Colunistas

Ale Chagas
Ale Chagas (11)

estudante e Kpopera de carteirinha

Geek Inclusiva
Geek Inclusiva (4)

Me chamo Alice Caroline, sou deficiente visual, paratleta, apaixonada por atletismo, estudante do ensino médio e amante do mundo geek e dublagem. Inclusão vai além de rampas e placas de escrita braile.

Aline Brito
Aline Brito (7)

Jornalista, assessora de comunicação, apaixonada pela vida e mãe.

Allison Veríssimo
Allison Veríssimo (1)

Allison Veríssimo das Chagas Lobato, filho de Ailson e Verá, Tucuju com muito orgulho, Bacharel em Direito, lutador de Taekwondo aposentado, aprendiz de poeta e um cômico da vida. Para os íntimos, o Tio Alho, para o mundo, apenas um cara feliz e de bem com a vida.

Hellen Cristine
Hellen Cristine (43)

Jornalista, mamãe do Heitor e amante da vida!

Luciano Bruno
Luciano Bruno (1)

Apaixonado por Marketing, há 5 anos Gestor de Marketing Digital pela SitesWeb e ToT Marketing. Especializado em Anúncios Pagos na Internet. Jogador de Xadrez Nível Ruím. Pai do Luís Otávio!

Yuri Esteves
Yuri Esteves (1)

Sou o Yuri Esteves, acadêmico de Ed. Fisica, tenho 30 anos e convivo com o transtorno chamado ansiedade e vou tentar relatar como vivo. Quero tentar ajudar as pessoas que também vivem como eu ou estão em situação bem pior, pois pode vim a se tornar um caso de depressão, se a ansiedade não for cuidada ou acompanhada devidamente por psicólogos ou psiquiatras dependendo do grau que você estiver.

Publicidade