Notícias

Praticagem vai instalar boias para prever marés na Barra Norte

A Praticagem do Amapá continua investindo para que navios mais carregados possam atravessar a barra norte do Rio Amazonas – trecho raso e lamoso de 24 milhas náuticas que delimita o calado (parte submersa) das embarcações na Bacia Amazônica. Durante o evento Norte Export, em Belém (PA), o prático Leandro Caiaffa informou que daqui a três meses será instalada a primeira de três boias meteoceanográficas no arco lamoso. Será o pontapé para a implantação de um sistema de calado dinâmico, que indicará o quanto os navios podem transportar sem risco de tocar o fundo.

Com custo de instalação de R$ 3,6 milhões, os equipamentos vão gerar informações mais precisas para a previsão das janelas de maré, fundamentais para uma travessia segura. Caiaffa lembrou que o projeto foi iniciado com um estudo técnico em 2017 e que, na sequência, foi instalado um marégrafo no Canal Grande do Curuá, a 70 milhas da barra norte, cujos dados são compartilhados com a Marinha e a UFRJ, parceira da praticagem na análise das marés.

Soma-se a este trabalho a sondagem regular das profundidades do rio, especialmente no Curuá, já que bancos de areia se movimentam constantemente sob as águas, alterando os canais de navegação. Após o projeto da praticagem, o calado máximo autorizado aumentou de 11,50 metros para 11,90 metros (em fase de testes). Isso representa um ganho de carga de mais de US$ 1 milhão por navio. Na Amazônia, trafegam cerca de 1.300 embarcações por ano.

– A nossa intenção é ter uma previsão praticamente perfeita na barra norte – afirmou Caiaffa.

O prático Adonis dos Santos, também presente no evento, destacou que o conjunto de boias vai trazer mais previsibilidade para o carregamento das embarcações.

O comandante do 4º Distrito Naval, vice-almirante Valter Citavicius Filho, disse que a continuidade da ampliação do calado depende do prosseguimento dos estudos das marés, por meio de investimento e sinergia dos interessados, porque a Marinha carece de recursos. Ele explicou que o arco lamoso sofre grande descarga de sedimentos do Rio Amazonas, que tem uma das maiores vazões do mundo.

O diretor de Hidrografia e Navegação da Marinha, vice-almirante Edgar Luiz Siqueira Barbosa, complementou dizendo que três componentes tornam a área ainda mais complexa: a maré astronômica, gerada por forças gravitacionais no sistema Terra-Lua-Sol (essa já bem conhecida); a maré meteorológica, influenciada pelos fortes ventos; e o nível do Rio Amazonas, em função do regime de chuvas.

O presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP) e diretor da Cargill, Clythio Backx van Buggenhout, ressaltou a parceria da praticagem na otimização da logística, mas revelou que a empresa, que opera um terminal graneleiro em Santarém (PA), contratou duas consultorias para também estudar o problema.

– Redundância é sempre bem-vinda – justificou.

O presidente do Conselho Nacional de Praticagem (Conapra), prático Ricardo Falcão, defendeu uma interlocução maior dos setores e a participação do agronegócio na solução dos desafios.

– Não resta dúvida da capacidade técnica da Marinha, da praticagem e de outros brasileiros. Falta todos estarem na mesma mesa, pensando em como cada um pode contribuir com o outro. Já o dono da carga precisa enxergar que os gargalos são pequenos e que investir em parceria com a Marinha trará rentabilidade para o próprio negócio – afirmou Falcão, acrescentando que é possível chegar a um ganho de calado de um metro e meio na barra norte, sem navegar em lama.

De acordo com o diretor executivo do Movimento Pró- Logística de Mato Grosso, Edeon Vaz Ferreira, os navios saem com 25% da capacidade ociosa dos portos do Arco Norte, situados acima do paralelo 16. A progressão do calado é essencial para o escoamento da crescente produção do agro. O Mato Grosso, principal produtor, responde por 72 milhões de toneladas de grãos e a estimativa é alcançar 120 milhões em 2030, sendo que dez anos depois 60 milhões serão exportados pelo Arco Norte, segundo Edeon.

Em 2020, o Arco Norte igualou a movimentação de soja e milho com o Porto de Santos, com 31,9% ou 42,3 milhões de toneladas do total embarcado no Brasil, o dobro de 2009, quando foram movimentadas 7,2 milhões de toneladas, de acordo com a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

O secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, disse que a pavimentação da BR-163 até os terminais de transbordo em Miritituba (PA) reduziu em 30% os custos de frete, puxando uma redução no país de 11%. Dos terminais, a produção do agro segue em barcaças pelo Rio Tapajós, com destino a Santarém (PA), Santana (AP) ou Barcarena (PA) para exportação.

– Pela primeira vez foi mais barato exportar do Centro-Oeste para a China do que a partir do Meio-Oeste dos Estados Unidos – assinalou.

Também participaram do Norte Export, edição regional do Fórum Nacional de Logística e Infraestrutura Portuária (Brasil Export), o diretor do Conapra, prático João Bosco (ZP-19); o secretário executivo da entidade, Arionor Souza; e os práticos Luiz Omar Pinheiro (ZP-1) e Luiz Marcelo Salgado (ZP-3). No primeiro dia, houve uma visita técnica de ferry-boat de Belém aos terminais de Vila do Conde (PA).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Colunistas

Geek Inclusiva
Geek Inclusiva (8)

Me chamo Alice Caroline, sou deficiente visual, paratleta, apaixonada por atletismo, estudante do ensino médio e amante do mundo geek e dublagem. Inclusão vai além de rampas e placas de escrita braile.

Lemana
Lemana (1)

Centro LEMANA - Lar Espírita Maria de Nazaré, localizado no Macapá-AP. Uma Instituição vinculada a Federação Espírita Brasileira que tem por objetivo principal a prevenção e a posvenção ao suicídio e a assistência aos enlutados e sobreviventes. Existimos desde maio de 2018

Poetas Azuis
Poetas Azuis (4)

Grupo lítero-musical amapaense formado pelos poetas Pedro Stkls e Thiago
Soeiro. Desde 2011 trabalham na divulgação da poesia por meio das
apresentações cênicas e também nas redes sociais. Atualmente o grupo reúne
mais de 100 mil seguidores no Instagram

Publicidade